Títulos Públicos — Tesouro Direto

Títulos Públicos são títulos de crédito emitidos pelo Tesouro Nacional para obter recursos para o governo. São dívidas contraídas pelo Estado para financiar suas atividades.

A principal forma de pessoas físicas investirem em títulos públicos é pelo Tesouro Direto.

Rentabilidade

Os títulos públicos são investimentos em renda fixa, porém isso não significa que as taxas e preços desses títulos não variam ao longo do tempo.

Existem dois tipos de títulos públicos: pré-fixados e pós-fixados.

Títulos Pré-Fixados

Os títulos pré-fixados têm a taxa de juro definida no momento da compra.

Seu rendimento é nominal.

Fonte: Tesouro Nacional, 2017.

Os títulos pré-fixados são indicados para momentos de queda da Taxa Selic, pois o investidor garante no momento da aplicação a sua rentabilidade.

Títulos Pós-Fixados

Os títulos pós-fixados têm seu valor corrigido por um índice (Taxa Selic ou IPCA).

No Tesouro IPCA a rentabilidade é composta por uma taxa predefinida (juro real r) mais a variação do indexador atrelado.

i = IPCA + r

Títulos Disponíveis

Existem 5 tipos de títulos públicos diferentes à disposição do investidor:

Tesouro Prefixado (LTN)

O investidor recebe o valor de face (valor investido + rentabilidade) somente no dia do vencimento. Esse título tem valor de face de R$ 1.000,00, o que quer dizer que o investidor receberá esse montante por uma unidade do título. O preço atual de compra é o valor presente, que desconta o rendimento da taxa de juros anual do título.

Tesouro Prefixado com Juros Semestrais (NTN-F)

O fluxo de pagamento dos rendimentos da aplicação é semestral. O investidor recebe, por meio dos cupons de juros, pagamentos da rentabilidade do título. No vencimento o investidor recebe o valor investido + último cupom de juros.

Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal)

O investidor recebe o total investido corrigido pelo IPCA + rentabilidade no dia do vencimento do título.

É um título ideal para proteger o investidor de uma alta inesperada da inflação, que poderia afetar significativamente a rentabilidade de um investimento pré-fixado, por exemplo.

Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTN-B)

Esse título paga juros semestrais e o investidor recebe o valor investido corrigido pelo IPCA + último cupom de juros no dia do vencimento.

É indicado para aqueles que querem ter um fluxo de caixa ao longo do investimento, em vez de ter que esperar o vencimento do título ou correr o risco de precisar vendê-lo antecipadamente.

Tesouro Selic (LFT)

Título pós-fixado que paga a variação da taxa Selic. O investidor recebe o valor investido + rentabilidade apenas no dia do vencimento.

É um título de baixa volatilidade e, portanto, baixo risco. O valor do Tesouro Selic é corrigido diariamente e não há possibilidade de rentabilidade negativa em nenhum momento.

Liquidez

O Tesouro Nacional faz recompras diárias de títulos para garantir a liquidez.

A menor quantidade de compra é a fração de 0,01 título, respeitando o piso de R$ 30,00. O valor máximo para aplicação pelo Tesouro Direto é de R$ 1.000.000,00 por mês.

Riscos

Os títulos públicos são considerados os investimentos de menor risco do país, pois são assegurados pelo Tesouro Nacional e, portanto, pelo governo.

Apesar de baixo, o risco não é zero. Não há como saber o que pode acontecer no futuro. As variações na Taxa Selic afetam os preços dos títulos para resgate antecipado.

O título de menor risco é o Tesouro Selic.

Como Investir

Para investir em títulos públicos uma pessoa precisa ter uma conta em uma corretora de valores.

Custos para Investir

Os rendimentos dos títulos públicos são tributados pelo Imposto de Renda quando do vencimento ou da venda do título.

O IR segue uma tabela regressiva, em que a alíquota diminui com o passar do tempo. A alíquota começa em 22,5% para os lucros de aplicações de até 180 dias e decresce até 15% dos lucros para investimentos de mais de 720 dias.

Além dos impostos, há a taxa de custódia da BM&FBovespa, de 0,3% ao ano sobre o valor dos títulos. Essa taxa é debitada semestralmente na conta da corretora. É um valor baixo comparado com algumas taxas de administração que alguns fundos cobram. Por exemplo, uma aplicação de 10 mil reais teria uma taxa de apenas R$ 30,00 por ano.

As corretoras podem cobrar taxa de administração anual sobre o valor dos títulos, que é livremente acordada com o investidor. A maioria tem taxas de até 0,5% ao ano, porém muitas não cobram nada para investir em títulos públicos pelo Tesouro Direto.

As taxas de custódia cobradas pelas corretoras podem ser consultadas aqui.

Como escolher um título?

O recomendado por consultores financeiros é diversificar os investimentos para reduzir os riscos.


Referências

CARACTERÍSTICAS dos Títulos Públicos. Tesouro Nacional. Disponivel em: <http://www.tesouro.fazenda.gov.br/documents/10180/391338/Caracteristicas_Titulos_Publicos.pdf>. Acesso em: 14 mar 2017.

COMO Funciona o Mercado de Títulos Públicos. Tesouro Nacional. Disponivel em: <http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto-como-funciona-o-mercado-de-titulos-publicos>. Acesso em: 14 mar 2017.

RENTABILIDADE dos Títulos Públicos. Tesouro Nacional. Disponivel em: <http://www.tesouro.fazenda.gov.br/tesouro-direto-precos-e-taxas-dos-titulos>. Acesso em: 14 mar 2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *