Spread Bancário: entenda o que é

Spread Bancário: você já ouviu falar? Sabe o que é?

Esse termo aparece bastante em jornais de economia e negócios.

O que é Spread Bancário

O Spread Bancário é, em termos simples, a diferença entre os juros que o banco paga ao captar dinheiro e os juros que ele cobra ao emprestar.

As vias normais dos bancos de captar dinheiro são as aplicações em poupança, CDBs, depósitos em conta e outros investimentos financeiros vendidos por eles.

Exemplo

Todos os bancos vendem títulos chamados CDBs, pelo qual captam recursos para emprestar. Esses títulos pagam juros ao investidor pelo seu dinheiro.

Nesse caso, o investidor está emprestando dinheiro ao banco, do qual receberá juros. É de interesse do banco, claro, pagar os menores juros possíveis.

Com esses recursos captados, o banco empresta a pessoas e empresas necessitando de crédito. Obviamente ele cobrará juros maiores do que paga para os investidores de CDBs. A diferença entre essas duas taxas chamamos de spread bancário.

O spread bancário é medido por pontos percentuais. Por exemplo, o custo de captação de 10% e a cobrança de 30% resulta num spread de 20 p.p.

O que influencia o spread bancário?

Para entender melhor os fatores que influenciam o spread, devemos analisar sua composição.

Composição do Spread Bancário

Além do lucro, o spread bancário também tem embutido os tributos (IOF), provisões contra inadimplência custos administrativos, contribuições ao FGC e compulsório.

  1. Margem líquida: o lucro do banco;
  2. Custo do risco: são as provisões contra calotes (inadimplência);
  3. Cunha tributária: que inclui impostos diretos (IR e CSLL);
  4. Custos administrativos;
  5. Depósito compulsório.

O lucro, o custo de risco e o cunho tributário compõem a maior parte do spread, segundo estudo da Fiesp.

Spread bancário no Brasil

O spread bancário no Brasil é um dos mais altos do mundo.

Isso não deve ser surpresa.

Comparado com alguns países, o nosso spread bancário pode ser até dez vezes maior.

As explicações mais comuns para esse spread elevado são:

  1. o setor bancário no país é oligopolizado. Os poucos grandes bancos formam um cartel que mantêm os juros elevados para continuar obtendo altos níveis de lucratividade;
  2. a Taxa Selic serve como piso para os juros bancários impedindo que se empreste a juros menores;
  3. a tributação e o depósito compulsório são altos demais;
  4. incertezas macroeconômicas;
  5. elevado volume de créditos direcionados.

Referências:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *